Telexfree. Acusado de golpe da pirâmide é candidato a deputado federal

Ao registrar candidatura, Carlos Costa disse ter R$ 13 milhões em bens, que estão bloqueados pela Justiça


Acusado de ser coautor de um dos maiores golpes de pirâmide financeira da história, o empresário Carlos Roberto Costa, diretor e sócio da capixaba Ympactus Comercial, a Telexfree brasileira, é candidato ao cargo de deputado federal pelo Partido Republicano Progressista (PRP). 

Costa, que é alvo de uma ação civil pública no Acre e de um inquérito criminal no Espírito Santo por crime contra a economia popular, declarou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ter mais de R$ 13,5 milhões em patrimônio. Com isso, ele é um dos candidatos mais ricos desta disputa eleitoral. Não consta na Justiça Eleitoral quanto ele pretende gastar nestas eleições. 

Nos Estados Unidos, ele é apontado como o idealizador da fraude que ultrapassou fronteiras e pode ter movimentado US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 3 bilhões).

Os bens com valores mais altos são da participação societária na VoxBras (Simternet Tecnologia da Informação LTDA) de R$ 2 milhões. A empresa, que é de Cachoeiro de Itapemirim, atua no setor de telecomunicações e foi comprada pela Ympactus meses antes do bloqueio da Telexfree no Brasil. Ele também declarou ao TRE ter pegado um empréstimo com a filha Letícia Costa, de 20 anos, estudante de Direito, no valor de R$ 1,5 milhão.

Parte dos bens declarados por Costa foram considerados indisponíveis pela Justiça do Acre, em junho do ano passado, e não podem ser desfeitos nem vendidos. Dinheiro, imóveis e fundos de investimentos foram sequestrados para pagar vítimas da Telexfree, estimadas em mais de um milhão de pessoas, caso seja comprovado que a empresa atuava de maneira fraudulenta.

Além dos bens congelados, Costa, em maio deste ano, teve dois carros penhorados por um juiz de Cariacica para pagar associados da empresa que entraram com ações individuais, pedindo a devolução do dinheiro aplicado na Telexfree. Os automóveis são um Kia Soreteo, de R$ 132 mil, e uma Mercedes Benz de R$ 219 mil. Caso o empresário não quite as dívidas, os veículos serão leiloados.

A Telexfree afirmava trabalhar no setor de marketing multinível para a venda de VoIP. A companhia recrutava pessoas para publicar anúncios na internet e para formar rede de divulgadores. (com colaboração de Mikaella Campos)

Bens declarados por costa

Apartamento em Itapoã, Vila Velha (em nome da dependente): R$ 168 mil
Apartamento em Itapoã, Vila Velha: R$ 1,1 milhão
Apartamento em Itapoã, Vila Velha: R$ 109.585,00
Kia Sorento EX 3.5 G17 ano 2012: R$ 132 mil
Kia Soul EX 1.6, ano 2012 (em nome da dependente): R$ 70 mil
Mercedes Benz SLK250 Turbo 2012: R$ 219,1 mil
Cotas de capital da Empresa Ympactus Comercial S/A: R$ 300 mil
Participação societária na empresa Simternet Tecnologia da Informação LTDA: R$ 2 milhões
Poupança Banco do Brasil em nome de terceiro: R$ 125.420,38
Crédito referente a empréstimo com a filha: R$ 1,5 milhão
Poupança Ouro - Banco do Brasil: R$ 456.937,44
Poupança Multidata - Banco Itaú: R$ 10.038,15
Banco Itaú: R$ 3.169,03
Ourocap Estilo Premio - Banco do Brasil: R$ 213.120,62
Brasilprev VGBL: R$ 3.650.000,00 Itaú Uniclass: R$ 2.141.772,25 Itau Uniclass First em nome de dependente: R$ 103.425,64 Caixa Econômica Federal VGBL - R$ 1.240.000,00

Total: R$ 13.542.568,43

Bandeira é legalizar marketing multinível

O presidente regional do Partido Republicano Progressista (PRP), Marcus Alves, informou que uma das bandeiras do candidato Carlos Costa será a legalização do Marketing Multinível. Além dele, outros líderes de empresas suspeitas de pirâmides financeiras vão se candidatar ao Congresso para tentar legalizar essa atividade.

Um candidato que vai levantar essa bandeira é o Acelino Popó de Freitas. No ano passado, enquanto estava na Câmara, o deputado federal afirmou que iria investigar as empresas fraudulentas. Porém, tempos depois, acabou se aproximando de negócios suspeitos, participando de eventos junto com Carlos Costa e até se inscrevendo na Paymony, empresa que recentemente deu golpe milionário em diversos associados. Outro candidato que promete defender essa bandeira é Aerci Arreal, que vai concorrer a deputado federal por Santa Catarina.

“O marketing multinível é ilegal no Brasil. A ideia do candidato é legalizar essa tarefa para que as pessoas possam trabalhar e pagar seus impostos com essa atividade”, defendeu Alves. O presidente disse ainda que o partido conta com 30 candidatos a deputado federal e que eles são divididos por segmentos, como saúde, segurança, cultura e sindicato.

“Pelo nosso cálculo, devermos eleger um candidato a deputado federal com menos de 25 mil votos. Já para uma vaga na Assembleia Legislativa, temos cerca de 90 candidatos”, comentou.

Entenda

Denúncias
A empresa Telexfree desde janeiro de 2013 passa por investigação criminal no Estado por crime contra a economia popular, lavagem de dinheiro e outros crimes.

Defesa do consumidor
Em junho, o Ministério Público do Acre (MPAC) consegue uma liminar para bloquear a Telexfree numa medida cautelar. Um mês depois, a entidade entrega à Justiça a ação civil pública final contra a empresa, pedindo a liquidação da Telexfree. Em 21 de novembro, a Justiça do Acre julga procedente a medida cautelar e aceita a continuidade da ação civil pública contra a Telexfree.

Mais acusações
No dia 15 de abril, a Divisão de Valores Mobiliários de Massachusetts, nos EUA, anuncia processar administrativamente a Telexfree por formação de pirâmide. No mesmo dia, a sede da empresa é invadida por agentes do FBI. Em 17 de abril, a Securities and Exchange Commission (SEC) - Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos - denuncia a Telexfree à Corte Federal e consegue o bloqueio dos bens da empresa, dos sócios e de alguns líderes.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Administrador

Texto.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: