‘Máfia dos chapas’ intimida caminhoneiros em Postos Fiscais de fronteira com a Paraíba

Uma nova ‘máfia’ está dominando os Postos Fiscais de fronteiras com o estado da Paraíba. A prática de extorsão de dinheiro e ameaças de morte, por homens conhecidos como ‘chapas’, têm se tornando constantes a caminhoneiros que precisam passar pelos Postos para o procedimento de liberação da nota fiscal da mercadoria transportada. Os chapas são conhecidos por trabalharem com carga e descarga de mercadorias de caminhões.
A denúncia é do Sindicato dos Integrantes do Grupo Ocupacional Servidores Fiscais Tributários da Paraíba. Segundo o presidente do Sindifisco, Victor Hugo, o caso trata-se de uma máfia dos descarregadores de mercadorias, que estão obrigando os motoristas a entregarem a eles as notas fiscais, para que as mesmas seja levadas e averiguadas pelo fiscal do Posto. Para o serviço é cobrado uma taxa de R$ 15 a R$ 20. A abordagem dos chapas aos caminhoneiros nas proximidades dos Postos Fiscais nas rodovias da Paraíba.
Conforme foi constatado pelo Sindifisco, os caminhoneiros que se recusam a contratar o trabalho dos chapas estão sofrendo ameaças. Um desses casos foi registrado, esta semana, no Posto Fiscal de Guaju, na localizado na cidade de Jacaraú, na BR 101, divisa com o Rio Grande do Norte. Um servidor do Fisco Estadual presenciou um grupo de chapas abordando um motorista e exigindo dinheiro. Ao negar pagar a quantia, o motorista foi ameaçado de morte por um deles. O fato foi registrado no livro de ocorrência do Posto Fiscal.
“Eles estão obrigando aos motoristas a entregas notais ficais, para entregarem aos fiscais. Os motoristas que estão se negando, eles estão ameaçando. Isso tem acontecido com frequência. Principalmente nos Postos Ficais mais distantes”, relatou o presidente do Sindifisco.
O caminhoneiro Antônio, 58 anos, que pediu ao Portal Correio para não ter seu sobrenome revelado, confirmou a prática de extorsão de dinheiro pelos descarregadores de mercadorias. Ele afirmou que nunca foi vítima da ‘máfia dos chapas’, mas afirmou que é comum que os descarregadores obriguem o caminhoneiro a pagar um valor “muito superior” ao serviço prestado pela descarga do produto.
“O caminhoneiro precisa de três a quatro chapas para entregarem a mercadoria e se o valor não for combinado direito, antes de contratar o serviços, eles cobram muito mais. É 80% de certeza disso acontecer e se o caminhoneiro não pagar dá em briga. Tem muito chapa ladrão e desonesto. Existe muitos chapas que também roubam os caminhoneiros”, contou. Segundo ele, o preço pago para retirar a mercadoria do caminhão varia. “Depende muito do tipo da mercadoria. Às vezes é pago por tonelada, às vezes por unidade. Depende muito do setor do produto. Isso varia muito”, disse.
Além da nova ‘máfia’, o presidente do Sindifisco ressaltou que os Postos Ficais de fronteira são “bastantes vulneráveis devido a localização” e cobrou mais segurança. “No Posto Estadual de Cruz de Alma, na divisa da Paraíba com Pernambuco, BR 101, por exemplo, sempre há conflitos, quase diariamente tem roubos. Nosso pedido, por mais policiamento à Segurança Pública nos Postos Ficais, é constante”, afirmou.
O secretário executivo de Segurança e da Defesa Social do Estado, Jean Nunes, declarou ao Portal Correio, que nenhuma denúncia formal sobre a ‘máfia dos chapas’ foi recebida pela Secretária. Ele recomendou que as ocorrência continuem sendo registradas para que haja a averiguação do caso.
Quanto à segurança dos Postos, ele afirmou que deve haver solicitação para que seja enviado reforço policial e ressaltou que a Secretária já trabalha em vária frentes nas segurança destes locais.

Fonte Portal Correio
Compartilhe no Google Plus

Sobre rivaildo

Texto.
    Blogger Comment
    Facebook Comment