Morte de Paulo Brandão: crime que tentou silenciar o Correio completa 29 anos


Há 29 anos, um crime bárbaro tentou calar o Correio. O jornalista e empresário Paulo Brandão Cavalcanti Filho, 36 anos, na época, diretor-presidente do Sistema Correio de Comunicação foi assassinado em 13 de dezembro de 1984, com mais de 30 tiros de metralhadora e pistolas, numa emboscada, quando saía da fábrica Polyutil, no Distrito Industrial, às margens da BR-101, em João Pessoa. Na época, o Brasil ainda respirava resquícios da Ditadura Militar e a liberdade de imprensa era silenciada com a morte. O assassinato, que chocou a Paraíba e repercutiu fora do País, teria sido motivado por denúncias de corrupção na administração pública, que estavam sendo publicadas no Correio.
Entre as denúncias publicadas no Correio, estavam o superfaturamento na compra de caçambas pela Prefeitura da Capital, o caso da PBTur ou o escândalo dos hotéis, como ficou conhecido, e irregularidades em licitação do DER, que foi cancelada após a denúncia do jornal. Segundo apurou a Polícia Federal na época, o assassinato foi tramado nos corredores do Palácio da Redenção e as balas que mataram Paulo Brandão foram disparadas de uma metralhadora pertencente ao Gabinete Militar do Governo da Paraíba.
Para o jornalista e documentarista Lúcio Vilar – diretor do documentário “Doc Correio, 60 anos” – o assassinato de Paulo Brandão foi um marco que ajudou o jornal a crescer no campo da denúncia e do jornalismo investigativo.
“O crime teve repercussão internacional. Foi muito forte. Na época, com o fim da Ditadura, ainda havia o chamado ‘entulho autoritário’. A cultura da repressão e da retaliação ainda estava muito viva. Tem uma fala de Roberto Cavalcanti que é muito simbólica. Ele diz que por conta da postura que o Correio teve na época – de não baixar a cabeça diante desse ato truculento e selvagem – não se permitiu mais nenhum episódio dessa natureza na Paraíba. Isso talvez seja o legado do Correio. Hoje, pensam duas vezes ao cometer algo dessa natureza”, ressaltou Lúcio Vilar.
Correio ganha mais credibilidade e cresce na opinião popular
A forma cruel como Paulo Brandão foi assassinado gerou revolta não somente dos familiares, mas também da sociedade paraibana. Após a morte do jornalista, a população em geral passou a denunciar a corrupção do governo e os desvios de dinheiro público mais efetivamente. Antes de assassinar Paulo Brandão, várias ameaças de morte foram feitas contra dirigentes do Correio, para tentar impedir a publicação das reportagens.
O jornalista Biu Ramos contou que houve uma grande pressão junto às autoridades e à Justiça, para a prisão e a punição dos responsáveis. E, segundo ele, o Correio sustentou uma verdadeira cruzada até que fossem apontados os culpados. Ele relatou que, na época, o clima na Redação era de apreensão. “O jornal cresceu muito na opinião pública, porque estava demonstrando uma grande coragem”, disse Biu Ramos.
Jornal de 1984Foto: Jornal de 1984
Créditos: Reprodução/ Jornal Correio da Paraíba
‘Faro jornalístico’ e coragem de denunciar
Natural do Rio de Janeiro, Paulo Brandão era formado em Direito e dominava não somente códigos e leis, mas também detinha um grande ‘faro jornalístico’. Tinha coragem de ir fundo nas denúncias e a sensibilidade para investigar. Aos 24 anos, Paulo Brandão já era chefe do Contencioso Jurídico do Grupo Financilar Lume, no Rio de Janeiro. De família de classe média, ele fez o curso de Direito em Pernambuco e, depois de formado, chegou a morar na sacristia de uma igreja, no Rio de Janeiro, porque o tio era padre e não tinha condição de alugar um local para ficar.
Quatro foram acusados do crime
Conforme apurou a Polícia Federal na época, o assassinato de Paulo Brandão foi planejado no Palácio da Redenção pelo coronel reformado da Polícia Militar, José Geraldo Soares de Alencar que, na época, era secretário-chefe do Gabinete Militar do Governo do Estado, e as armas utilizadas eram da Secretaria de Segurança Pública. De acordo com a PF, o crime teve o envolvimento de mais três militares, o sargento Manoel Celestino da Silva, o subtenente Edilson Tibúrcio de Andrade e o cabo reformado da PM, José Alves de Almeida, o "cabo Teixeira". O coronel Alencar foi condenado por ter sido o autor intelectual do crime.
O jornalista Paulo Brandão foi assassinado na noite de 13 de dezembro de 1984, no momento em que se dirigia para o Sistema Correio de Comunicação em um veículo Parati. Ele foi metralhado e seu corpo ficou estendido às margens da BR-101, em João Pessoa.
PF assumiu investigações após ordem do presidente
Na mesma noite em que o jornalista e empresário Paulo Brandão foi assassinado, começaram a surgir as suspeitas de que o crime havia sido tramado nos corredores do Palácio da Redenção e que os autores da execução eram policiais militares. No dia seguinte, o então secretário da Segurança Pública, Fernando Milanez, designou o delegado da Polícia Civil Janduy Pereira, para presidir o inquérito policial. Porém, após mais de seis meses do crime, nada de concreto havia sido apurado, apesar das suspeitas sobre a autoria dos disparos.
Revoltados, familiares do jornalista Paulo Brandão começaram uma verdadeira "batalha", pedindo Justiça, para que o crime não ficasse impune. Entidades de defesa dos Direitos Humanos, entre elas, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB) fizeram mobilizações pedindo que a Polícia Federal assumisse as investigações.
Sobre as denúncias que calaram Paulo Brandão
Três grandes denúncias foram feitas por Paulo Brandão, no jornal, dias antes do seu assassinato. A primeira foi o superfaturamento na compra de caçambas feita pela Prefeitura de João Pessoa. Naquele momento, o titular da Prefeitura da Capital era nomeado pelo Governo do Estado. A segunda foi o ‘escândalo dos hotéis’ e, ainda, irregularidades em licitação para compra de tratores, máquinas e outros equipamentos de terraplanagem para o DER. Segundo as denúncias sobre o "escândalo dos hotéis", em novembro e dezembro de 1984, uma empresa privada "recebeu da PBTur o 'presente' de explorar seis hotéis do Estado, gratuitamente, por dois anos". Conforme as denúncias, seria um "golpe bilionário no Governo da Paraíba".

Fonte Portal Correio
Compartilhe no Google Plus

Sobre rivaildo

Texto.
    Blogger Comment
    Facebook Comment